quarta-feira, junho 11, 2008
"Duelo" - Tim Burton: Parte II
Antes de mais, convém esclarecer desde logo que o desafio de escolher um filme de Tim Burton e defendê-lo em detrimento de outro é, à partida, bastante ingrato, não se tratasse da obra daquele que é um dos mais interessantes cineastas americanos da sua geração – é como escolher o melhor título de campeão nacional do FCP. Tudo se torna ainda mais difícil quando se tem de escolher uma película para ombrear com essa preciosidade que é Ed Wood que, além das características tão deliciosas que o Duarte descreveu, ainda conta com Bill Murray em modo de “mau actor homossexual”, a cereja no topo do bolo.

Ainda assim, a ter de escolher um Burton favorito, não posso ignorar os múltiplos prazeres que Batman Returns me proporcionou na infância, e consegue prolongar ainda hoje, sempre que calho de colocar o DVD no leitor. Desde os sinistros créditos góticos com a banda-sonora enorme de Danny Elfman que me arrepio por completo à medida que o berço do bebé pinguim se vai deslocando à deriva pela imensidão dos esgotos de Gotham. Depois, temos sequências de acção maravilhosas, e todo um tom de tragédia que culmina num final verdadeiramente comovente. Para completar o ramalhete: Michelle Pfeiffer aka Classe. Se costumo dizer que aos meus 15 anos desenvolvi uma paixoneta pela Mira Sorvino quando a vi em Mighty Aphrodite, também não me posso esquecer da vontade com que devorava cada plano em que a actriz aparecia na tela vestida de cabedal como a sensual Catwoman. Mesmo a chorar, borrando a pintura, ou a servir de alimento a gatos vadios, a mulher está sempre impecável. Ah, também é uma excelente actriz e está maravilhosa em todas as suas cenas, caso o leitor se interesse por essas coisas. Além de tudo o resto, o argumento é também rico na forma como explora a dualidade existente em todas as personagens. Antes de Joel Schumacher ter iniciado o processo de destruição do mito do homem-morcego (com direito a mamilos nos fatos e tudo) agora recuperado por Christopher Nolan, Tim Burton conseguiu realizar aquele que é ainda a melhor adaptação para cinema de um herói da banda desenhada e o seu melhor filme, batendo mesmo o jovem das tesouras e o Mr. Camisolas de Angora.
posted by Juom @ 11:50 da tarde  
2 Comments:
  • At 10:03 da manhã, Anonymous naturline said…

    Adar com um texto,imagem maravilhoso.
    muito boas, mo' gostou muito, da mesma maneira que o blog, obrigado muito.
    alegre e cheio de vida
    Enfim… :)

     
  • At 12:06 da tarde, Blogger P.R said…

    Não há nada como o primeiro! Eduardo Maõs de Tesoura ao poder:P
    E a seguir ainda vem Big Fish lol Depois vem o morcego. Qt ao Edwood ainda não vi :S

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates