sábado, maio 31, 2008
Amy Winehouse | Rock in Rio | 30-05-2008

Chegou atrasada uns 40 minutos, mas o pior ainda estava para vir. Visivelmente embriagada e/ou sob efeito de drogas, Amy Winehouse mal se aguentava nos sapatos, tendo mesmo chegado a tropeçar a dada altura. Rouca, a sua notável capacidade vocal em disco transformou-se numa miragem ao vivo, para dizer o mínimo. Cada interpretação ameaçava não chegar ao fim e o espaço entre músicas foi marcado pela recorrente desorientação, com Amy a dirigir-se a outros membros da banda como se para perguntar (adivinhamos nós) o que cantar a seguir. Pelo meio muitos copos e várias palavras ao público, quase totalmente imperceptíveis. Durou pouco: 40 a 50 minutos depois de ter começado, Amy Winehouse deixou o palco e não voltou para encore. Entre a assistência o sentimento de completa desilusão era notório.
A cantora britânica era uma das estrelas do cartaz do festival Rock in Rio deste ano, sendo a primeira vez que actuou em Portugal. Estavam cerca de 90 000 pessoas no parque da Bela Vista e certamente uma parte significativa desse número estava lá para ver Amy Winehouse. Quem pagou bilhete deve ter chorado o dinheiro que gastou. Amy deu espectáculo sim, mas um triste espectáculo. Daqueles tão maus que merecem um lugar entre os piores concertos de sempre. É pena, porque ela em disco mostrara um nível diferente.

(As imagens no vídeo são da Sic Notícias e, até agora, foram o melhor que consegui encontrar no YouTube sobre o concerto de ontem)

posted by H. @ 12:15 da tarde  
13 Comments:
  • At 1:03 da tarde, Blogger Imagination said…

    há concertos tão maus que dão vontade de rir... Entrou para o top :-)

     
  • At 1:47 da tarde, Blogger P.R said…

    É verdade... concerto foi uma vergonha! A senhora não cantou rigorosamente nada e ainda teve tempo para snifar em palco. Alguém reparou?

    Enfim, uma colossal desilusão de uma menina que, para bem ou para o mal, ficará na história da música.

     
  • At 2:07 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    eu assisti o cocerto ao vivo nao.. nao chorei o dinheiro, e nao foi novidade nenhuma o facto de ela consumir drogas e beber. alias duvido que quem pagou o bilhete para a ver nao tivesse conhecimento da sua vida e maneira de estar, é pena sim, que ponham em causa a capacidade musical e vocal da amy, quando ela mesmo rouca levou ao rubro os 90 mil presentes independetemente da sua maneira de estar tao caracteristica dela. so gosta quem quer e quando nao se gosta, entao que a critica seja o mais construtiva possivel !
    é de notar o facto de ela nao so ter pedido desculpa pelo atraso de 30 minutos , mas também pelo facto de estar rouca (momento em que honestamente referiu que devia ter cancelado o concerto, momento também ao qual o publico discordou e aplaudiu com entusiamo) . mas claro existem sempre interpretações erradas de factos. E os vossos comentarios sao sem duvida muito pobres de espirito nesse campo...

     
  • At 8:58 da manhã, Blogger H. said…

    Caro anónimo,
    Se há coisa a que já me habituei na blogosfera é que quem não concorda com uma apreciação expressa por alguém costuma comentar a partir logo para os insultos. E normalmente "anonimamente". Fico feliz por ter gostado. Não duvido que muita gente tenha gostado do "espectáculo". Mas também lhe garanto que esse "rubro" não foi assim tão unânime.
    Pobreza de espírito é não aceitar a liberdade de expressão.

     
  • At 11:50 da tarde, Anonymous miguel said…

    ficará na história da música? não me parece. relativamente à voz, apesar da pretensão, não chega ao nível de uma ella fitzgerald ou uma nina simone (só para exemplificar), e a nível de comportamentos, digamos que não são propriamente novidade nesta indústria.

     
  • At 12:03 da manhã, Blogger P.R said…

    Olá miguel,

    Pois, estamos mesmo em desacordo. Para mim Winehouse daqui a 30 anos irá ser recordada como uma artista-chave desta década. Não esquecer que para além da estupenda voz que tem (ao nível das grandes cantoras que destacaste) é ela que escreve e compõe as suas músicas.

    E conseguir compor, escrever e interpretar músicas da forma como ela o faz está ao alcance de muito poucas!

     
  • At 12:21 da manhã, Anonymous miguel said…

    realmente está ao alcance de muito poucas, como de resto se pôde comprovar nesse tal concerto. :p
    não me parece que seja artista-chave desta época. não é propriamente inovadora em nada do que faz, e quando abandonar o mundo da música as remificações por ela criadas vão ser mínimas (não queria dizer nenhumas).

     
  • At 12:44 da manhã, Blogger P.R said…

    Sim, mas não considero que todos os artistas tenham necessariamente que fazer história pela sua inovação musical. Senão o Rock estaria sempre ligado a Led Zeppelin, as guitarras a Hendrix e o jazz a Fitzgerald.

    Faz história quem é realmente bom naquilo que faz. Quem se supera em cada letra e em cada música. E, na minha opinião, Winehouse transborda talento.

    E ignorar este facto só porque a moça é cocainada, é a mesma coisa que dizer que o Hendrix era banal só porque morreu de overdose :P lool

    Mas percebo o que queres dizer. A questão é que se há 30 ou 40 anos existissem os media que hoje existem de certo que todos os dias seriamos brindados com histórias mirabolantes daqueles que são considerados autênticos reis de vários géneros musicais. Vejo em Winehouse muito de Joplin que também fazia grandes cenas, e também cancelou concertos, e também foi expulsas de hotéis, e também foi para o palco completamente drogada ...

    Agora hoje em dia há é um aproveitamento da parte das burrices de Amy que não havia no passado. Mas só os mais desatentos deixam que isso se sobreponha ao talento da rapariga :)

     
  • At 5:32 da tarde, Anonymous miguel said…

    mas os led zeppelin não foram a única banda a inovar no campo do rock, muito longe disso. nem o hendrix nas guitarras. nem a ella no jazz. agora que tem de haver um rasgo de criatividade e inovação para se ficar na história da música, lá isso tem. e pessoalmente, julgo que a amy não preenche estes requisitos. e não me parece que o seu talento seja tão irrefutável. em relação à toxicodependência, repara que não me pronunciei sobre isso a não ser para te perguntar se eram esses comportamentos que iam gravar o nome da amy na história da música.
    tens toda a razão quando dizes que na actualmente a propagação destas burrices é aproveitada até à exaustão. mas não sei de onde veio a conversa da droga, quando estávamos a falar apenas da arte da senhora.

     
  • At 5:45 da tarde, Blogger P.R said…

    O meu comentário em relação à toxicodependência teve unicamente como objectivo demonstrar a minha opinião neste ponto: acho que Amy Winehouse actualmente é vista como "a maluca drogada" do que como grande artista que é. Extrapola, de facto, o que falávamos. Mas, o facto de teres mencionado não deixa porém de sublinha este mesmo ponto.
    Quanto à arte da senhora, como lhe chamas se já ouviste os dois cd's com atenção e manténs a tua opinião respeito. 
    Agora se formas a tua opinião apenas pelos singles sem saberes qual foi o contributo de amy na criação do mes, sugiro-te que percas um bocadinho a descobrir. 
    Em relação ao rasgo de criatividade conheço muitas poucas cantoras e compositoras (principalmente) que misturem o jazz, o soul, o R&B e o rock como Amy faz. De certo que tu conheces dezenas delas :P

    Um abraço.

     
  • At 12:59 da manhã, Blogger Wellington Almeida said…

    Ah, mas aquilo foi um clássico. Quem é que estava ali que vai esquecer dessa noite? Para os anais da história da música pop ;)

     
  • At 3:03 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Fui a dois dias do rock in rio e não concordo de maneira alguma com o que é aqui dito em relação ao concerto de Amy Winehouse... mas enfim, não vale a pena dizer nada por aqui.

     
  • At 3:21 da tarde, Blogger not_alone said…

    Caro anónimo,
    vale a pena dizer tudo por aqui. É um espaço de discussão, de confronto e de exposição de ideias. Dito isto, não pretendemos mudar a sua opinião pessoal sobre o concerto. Como também não deve esperar que nós mudemos a nossa só porque o caro anónimo não concorda connosco. E já que estamos a falar de opiniões pessoais, deixe-me ainda acrescentar que eu não fui a dia nenhum do rock in rio e como tal tenho uma opinião mais "exterior" do assunto. E devo confessar que, gostos à parte, aquilo foi um espectáculo deprimente. Ninguém no seu perfeito juízo se devia contentar com aquela má performance de uma artista daquele talento. Nada a apontar à banda, ou à multidão de fãs que ainda acreditava nas capacidades de Amy para dar um bom espectáculo. Mas a verdade é que Amy Winehouse precisa de se tratar. Ninguém quer um drogado a trabalhar como vendedor de automóveis, por exemplo, isso afecta o seu rendimento enquanto trabalhador. Aqui é a mesmissima coisa.

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates