sexta-feira, setembro 12, 2008
Emmys: House
Numa espécie de antevisão à cerimónia de entrega dos Emmys, dia 21, o Take a Break irá apresentar todos os dias um pequeno texto sobre cada uma das séries que estão nomeadas nas categorias de comédia e drama. Como anfitrião temos o médico mais brilhante e antipático da televisão: Dr. House.




Nunca fui um acérrimo fã de House. Não sei títulos de episódios de cor, não me lembro qual era a doença da senhora estrábica e nem tão pouco me recordo de um episódio que seja da primeira temporada. No entanto, pouco a pouco também eu me deixei contagiar por este vício que não me parece que tenha antídoto à vista. E a origem desta maleita é óbvia: House, uma das personagens mais bem escritas e interpretadas de sempre (vénia a Hugh Laurie). Até porque se repararmos bem esta é uma série com uma estrutura muito estandardizada: nova doença, os médicos fazem N suposições, aparentemente encontraram a solução, o doente pior, House tem um rasgo de génio e salva o cliente. 90% dos episódios é isto. A questão é: Who cares? Todas as tricas e intrigas de House são mais do que suficiente para salivarmos por um novo episódio. As doenças são apenas um pretexto para tal. É House, o homem e o médico, que domina as atenções e é por ele que a série sobrevive. E depois ainda somos brindados com episódios absolutamente perfeitos e geniais como é o exemplo do final desta 4 temporada, onde tudo e todos se ultrapassam, oferecendo o melhor final season do ano (pelo menos das séries que eu vi). E já agora, se me permitem, House merece sem dúvida o Emmy para Melhor Drama!
posted by P.R @ 6:46 da tarde  
7 Comments:
  • At 10:49 da tarde, Blogger Ana Silva said…

    Nem mais! De facto Hugh Laurie tem um desempenho fantástico. Irrepreensivel no raciocínio, ironico e sarcástico nos comentários. Muitas vezes impertinente, outras tantas demasiado pertinente. Grande House, o salvador.

     
  • At 3:15 da manhã, Anonymous miguel said…

    Melhor season finale? Ora ora, vamos a ver Lost :p

     
  • At 12:49 da tarde, Blogger daniel said…

    Para mostrar que nem só de plena originalidade vive uma série, continua o Dr. Gregory House a encantar, e a inspirar, muita gente por esse mundo fora. Mais do que a excelente e originalíssima personagem que é House, mais do que a excelente interpretação do Hugh Laurie que nos faz quase desejar que o actor seja como o Dr. House na vida real, é aquilo que House representa. Dr. House é uma caricatura como eu nunca vi ao médico que tem fobia a doentes, e que os despreza (déjà vu?); é aquele homem genial que mostra que é possível amar aquilo que faz sem gostar das pessoas por quem faz isso. Mas, na verdade, Dr. House é uma das pessoas mais autênticas que conheço: é capaz de aldrabar, gozar, mentir, falsear, e até andar à pancada com alguém só para salvar o seu doente. Se formos a ver bem, o distanciamento de House em relação aos doentes é mais devido à sua incapacidade crónica para segurar relações humanas do que a um desprezo geral pelo homem; o desprezo existe sobretudo por causa de tudo aquilo que faz os homens não serem sinceros consigo próprios e com os outros (e especialmente quando disso depende a sua vida), e é por isso que House é um dos meus heróis. Ele diz tudo aquilo que não nos facilmente atreveríamos a dizer, e é por isso que acaba sendo muito mais sincero do que todos os outros. E, para ser fiel à realidade, diria até que, acima de médico, o que House tem de melhor é saber dar uma lição bem dada, é ser professor. Acho que são razões suficientes para esta série entrar na história com o pé direito.

     
  • At 12:54 da tarde, Blogger P.R said…

    miguel: eu sublinhei que foi o melhor dos que eu vi. Quanto ao Lost já desisti ha muito tempo ;) Um abraço!

    Daniel: Ora nem mais! Belo texto ;)
    Abraço

     
  • At 3:10 da tarde, Anonymous miguel said…

    Desististe de Lost, Pedro? Então, já dizemos não a um desafio televisivo que reformula todas as regras e conceitos pré-estabelecidos? Pois garanto-te que ficarias astronomicamente melhor servido com uma temporada de Lost do que com todas as do House juntas ;)

     
  • At 3:43 da tarde, Blogger Izzi said…

    Apesar de gostar de House, tenho de concordar com o miguel. O Lost está "on a league of his own".
    **

     
  • At 4:21 da tarde, Blogger P.R said…

    LOL sim desisti, e honestamente até tenho curiosidade para ver, embora não seja algo que me tire o sono. A questão é que nao compreendo o porque de tanta euforia à volta de uma série que mais não é, pelo menos na sua ideia-base, uma junção de ideias já vistas. Mas esperemos pela defesa da série Lost aqui no TAK, uma vez que tb está nomeada! :P

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates