terça-feira, maio 22, 2007
Dancer in the Dark vs Dogville

Por Paulo

Como saberão perfeitamente aqueles que conhecem o seu trabalho, Lars von Trier é um realizador bastante... diferente. Começando na forma, e acabando no conteúdo, os seus filmes são sempre obras que se destacam por um grande arrojo, seja quando decide quebrar as regras tradicionais da linguagem cinematográfica, seja quando decide apresentar-nos assuntos polémicos (diga-se, em boa verdade, nunca um acontece sem o outro na sua obra). A meu ver, Dancer In The Dark surge como um espécime perfeito das maiores virtudes do cinema do dinamarquês. Primeiro, porque consegue o essencial: comover-me dolorosamente com a história tocante de Selma (Björk, numa interpretação verdadeiramente brilhante), uma mulher que apenas quer poder pagar ao filho uma operação aos olhos de forma a evitar a cegueira hereditária que também a afecta. Depois, porque a forma como filma esta história (totalmente rodada em vídeo) dificilmente poderia ser mais bem conseguida - os números musicais cheios de cor, coreografia e melodias criadas pelos instrumentos mais banais (desde um combóio às máquinas da fábrica onde trabalha Selma) contrastam com a bruta realidade, dolorosa e descolorida da vida da sua protagonista.

Acima de tudo, aquilo que mais me encanta neste filme, remete para o olhar que exerce sobre o cinema - sobre quem o vê (não é, certamente, à toa que o problema de Selma é estar a ficar cega), mas também, e especialmente, sobre os seus efeitos no ser humano, uma vez que Selma, fã acérrima de musicais, não perde uma oportunidade para escapar até eles e afastar-se da crueldade do mundo, criando mesmo momentos arrebatadores que estiveram bem perto de me levar às lágrimas assim que o vi pela primeira vez. Ao contrário do que acontece com Dogville, que o meu colega Pedro tratará de defender e possivelmente contrariar, onde tudo não me parece passar de um vazio e redutor exercício sobre a crueldade humana, sem nada que o justifique.


Por P.R

Neste frente-a-frente, é me bastante complicado escrever um texto acerca de Dogville. Para este facto contribuem dois aspectos: o facto de ser um dos meus filmes de eleição de sempre, e a constatação natural que Dancer in the Dark é um excelente filme. Comecemos talvez por aqui. Dancer in the Dark é sem dúvida um belíssimo filme. A história dolorosa, a actriz excepcional e a reinvenção do género musical à la Lars VonTrier, compõem uma tríade perfeita. Não existindo Dogville, e este seria o "meu" filme de Lars Von Trier.

No entanto, Dogville existe. Em 2003,o realizador Von Trier traz até nós a sua verdadeira obra-prima, o seu legado na reconstrução da arte e do próprio cinema. Fundindo as virtudes de teatro, literatura e cinema, a simbiose dos três géneros não só é notável, como, na minha opinião, é pioneira no seu experimentalismo. Com um mise-en-scene absolutamente inacreditável, com uma ausência de cenários e adereços propositada para o espectador centrar a sua atenção na evolução da personagem de Grace (Nicole Kidman numa interpretação absolutamente perfeita) , o olhar de Trier é cru, pessimista e demonstrativo da podridão da natureza humana. O espectador é exactamente isso, um observador do homem e dos sentimentos mais básicos. E o que se vê é um grito de revolta, um grito de alerta, uma constatação que mesmo o homem evoluído, sucumbe aos seu mais primários instintos. Se o filme não é excessivamente violento? Talvez… Mas sinceramente não creio que o que vemos em Dogville seja tão diferente da realidade actual. O filme assusta porque é verosímil. Marca porque nos revemos nas personagens mesmo não o querendo.

É fácil não gostar de Dogville. Pensar que tudo não passa de um argumento exagerado do lunático Lars Von Trier devolve-nos a tranquilidade. Sim, porque a visão é de facto pessimista, mas todos sentem que é verdadeira.

E vocês? Dancer in the Dark ou Dogville?

posted by P.R @ 11:04 da manhã  
11 Comments:
  • At 12:30 da tarde, Blogger Play Dead said…

    Ambos, sem dúvida!

     
  • At 4:24 da tarde, Blogger not_alone said…

    Eu gosto muito de ambos, e de Lars Von Trier em particular, mas neste frente-a-frente, confesso que a minha preferência vai para Dogville.

    Mas parabéns aos dois pelo bom trabalho de argumentação :P

     
  • At 8:21 da tarde, Blogger wasted blues said…

    'Dogville' all the way! Não sou fã de 'Dancer in the Dark', só gostei da bso e de uma ou outra cena.

     
  • At 9:30 da tarde, Anonymous gonn1000 said…

    "Dogville", sem pensar duas vezes!

     
  • At 10:16 da manhã, Blogger Knoxville said…

    Só vi o Dancer in the Dark, e apesar de ter gostado, achei-o extremamente sobrevalorizado. Cumprimentos!

     
  • At 6:14 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Apesar do bom texto acerca de Dancer in the dark, concordo com o P.R. Dogville é bem superior a Dancer in the Darj

     
  • At 11:07 da tarde, Anonymous Simão said…

    Não sei o que responder... apenas que ambos estão no meu top depreferências, cada um pelas suas particularidades: Dancer in the Dark pela emoção e tristeza que nos consegue impingir e Dogville pela sua originalidade e mestria.

    Cumprimentos!!

     
  • At 2:34 da tarde, Blogger Tiago Barra said…

    Dogville marcou a diferença, em todo o cinema dos últimos 10 anos. Difícil de esquecer, consegue superar dancer in thr dark (o que não era fácil).

     
  • At 1:06 da tarde, Blogger Ursdens said…

    Para mim o melhor filme de Lars Von Trier é "Ondas de Paixão"...

    Ainda assim, prefiro "Dancer in the dark" a "Dogville". O segundo tem a genial ideia dos cenários abstractos, enquanto que o primeiro é uma história que comove de uma forma crua e abrupta...

     
  • At 5:24 da tarde, Blogger Cataclismo Cerebral said…

    Sim, para mim o melhor filme do Lars Von Trier é o "Breaking The Waves" (está no top das minhas preferências cinematográficas). Gosto muito do "Dancer in The Dark", é mesmo uma experiência arrebatadora e inventivo em termos do padrão de musicais a que estamos habituados, no entanto confesso prefiro o "Dogville". O que este filme tem a dizer sobre a mentalidade americana e a administração Bush é algo de assombroso. E depois conta também com uma Nicole Kidman completamente despojada, oferecendo-nos assim uma superlativa interpretação.

    Abraço

     
  • At 11:02 da tarde, Anonymous Tânia said…

    hehe...dancer in the dark...porquê? Porque me deixei dormir a ver o dog vile...no dancer in the dark isso era impossível de acontecer!
    Acredito que o outro seja também bastante bom...Mas quem dera à Nicole os encantos da Björk!Quem lhe dera... =D pggverde@hotmail.com

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates