terça-feira, julho 04, 2006
David Fonseca | Casino Estoril | 29-06-06


Na última quinta-feira eu e a Helena partilhámos um de muitos momentos inesquecíveis que David Fonseca nos tem brindado nos último anos. O Casino Estoril já foi, para mim, palco de concertos de Silence 4 e de David Fonseca a solo. Todos eles têm um sabor muito especial. O espaço chique contrasta com a irreverência da alma indie de David e, tal como o próprio cantor referiu, é um dos seus espaços preferidos para cantar, porque é um local pequeno e acolhedor. Numa tentativa de fazer uma crítica diferente, eu e a Helena juntámos o que mais nos marcou desta experiência e decidimos fazer um post em jeito de conversa informal. Esperemos que gostem.



not_alone: Eu vi mais de 15 concertos de Silence 4, de David Fonseca também já fui a muitos, por isso o que me continua a fazer voltar a vê-lo sempre que posso são as surpresas que nos reserva. O alinhamento pode ser igual, mas há sempre alguns toques de génio que fazem de cada concerto uma experiência memorável. Neste caso específco, Hey Ya, dos Outkast foi um momento extraordinário. Totalmente inesperado, longe das influências que costumam marcar presença nos concertos do David, ele agarrou o tema como seu e fundiu-o com o novo single, Our Hearts Will Beat As One. Recordar a My Friends foi também uma boa surpresa. E sou totalmente arrebatado sempre que ele canta Song To The Siren, de Tim Buckley.
H.: Quem me dera poder dizer que já vi o David actuar tantas vezes, com ou sem Silence 4! Vários foram os concertos que, mesmo perto, perdi, mas concentremo-nos neste em particular. A inserção de covers no alinhamento é de facto algo fantástico, e qualquer fã do David Fonseca sabe da sua faceta de melómano insaciável. Se há dois anos fiquei extasiada com a sua versão do "Barco Negro", este ano não esqueço a evocação de Elvis Presley, que desconhecia ter sido inspiração para a minha canção favorita do último album ("Swim").



not_alone: O pior do concerto, se é que lhe podemos chamar assim, foram alguns problemas técnicos, que, no fundo, depois acabam por nos fazer rir. Seja do Fiel a entrar em pânico porque alguma coisa no chão estava a deitar fumo ou no final o David a destruir o cenário todo com o cabo do microfone, acabando por se emaranhar na guitarra do Fiel, aquilo parecia o caos :P
H.: Claro que apontar coisas más é sempre chato e eu não terei algo particularmente notório a apontar. Gostaria que ele tivesse regressado a alguns temas mais intimistas do «Sing Me Something New» em vez de repetir no encore a "Our Hearts Will Beat As One". Mas isto é mais da ordem do gosto que de outra coisa.



not_alone: No geral o concerto foi dos melhores que vi do David. Um colectivo impressionante, cheios de química e cumplicidade, mas acima de tudo cheios de talento. David está cada vez mais com uma forte presença em palco, conquistando o público com um silmples gesto da mão ou um ligeiro abanar da anca :P A sua postura é claramente de alguém que merecia vôos mais altos. Está também cada vez mais versátil, um verdadeiro melting pot de influências. Confesso que adoro mesmo as covers e que funcionam todas muito bem no meio das musicas dele. Porque aquele é o David Fonseca. Não é somente o de Sing Me Something New, o de Our Hearts Will Beat As One ou o dos Silence 4. É principalmente aquele que cresceu a cantar Roxy Music, Talking Heads, Tim Buckley. É a extravagância dos Trio. É a frescura dos Outkast. É acabar um concerto com os dedos quase aos gritos das violentas lutas com as cordas da guitarra e ainda ir dar autógrafos e umas palavrinhas aos fãs. É, humildemente, perguntar: o que acharam do concerto?
H.: Voltar a ver o David Fonseca é como regressar a algo que me acompanha há muitos anos, seja na solidão do quarto seja na euforia de dançar e cantar os seus "The 80's". Por muito que ele cante, falta sempre mais e mais. Dele e de outros (e se ele fizesse um disco só de covers? Não seria uma ideia fantástica?). Podia ficar ali o resto da noite a ouvi-lo... Como dizes, ele é um misto de influências, mas ao mesmo tempo é ainda esse rapaz que aos 18(?) anos escreveu a "Angel Song", provavelmente das canções mais belas e tristes que alguém em Portugal compôs. A interacção com a banda estava muito boa, a ilustrá-lo o belíssimo "Hold Still" com a voz da Rita a trazer esse quê de feminino que faltava nas canções do album anterior. Creio que ele está mais maduro e positivo do que da última vez que o vi. Apesar de tudo, de início a comunicação era parca, embora para mim tal não importe muito porque as suas músicas já dizem tanto...



not_alone: Eu cá continuo a achar que este é um artista demasiado genial para o país que temos. Mas, enquanto ninguém dá por isso, sempre temos o previlégio de assistir a alguns concertos magníficos.
H.: Lembro-me de há uns anos ver um concerto dos Silence 4 na TV, a cantar num pub em Londres onde já tinham tocado das bandas mais emblemáticas do mundo. Não há dúvidas de que o David Fonseca pertence num panorama mais internacional, ao pé de outros pequenos génios alternativos. Ele merece esse lugar... Além das limitações deste país que nem sempre sabe reconhecer boa música... No geral, foi óptimo revê-lo. Por alguma coisa o Little David Boy é o meu artista de eleição no panorama musical português.

Finalmente, para todos aqueles que não tiveram oportunidade para ver este concerto, fica aqui uma amostra do que podiam ter visto. David Fonseca a cantar Hey Ya, dos Outkast, como introdução para o novo single, Our Hearts Will Beat As One.


Video by M. Jerónimo
Fotos da Mónica, retiradas com a sua autorização daqui!
posted by not_alone @ 8:11 da manhã  
9 Comments:
  • At 8:45 da tarde, Blogger Langley said…

    Está tudo dito. :P Quando é que vos chamam para trabalhar na Blitz?

     
  • At 9:16 da tarde, Blogger P.R said…

    excelente ideia de post, excelente "conversa" e, pelos vistos, excelente concerto. Estão os dois de parabéns :) que seja para continuar ;)

     
  • At 9:59 da tarde, Blogger not_alone said…

    Obrigado, confesso que este post me deu um gozo especial fazer. Porque sou um fã incondicional do David Fonseca e porque foi um concerto realmente memoravel :P

     
  • At 10:00 da tarde, Blogger not_alone said…

    Ah, e porque escrever um post a meias com a H. é um grande previlégio :)

     
  • At 10:04 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Obrigado pela analise do concerto ;) so me da mais vontade de o ir ver...

    ruibonga

     
  • At 11:07 da tarde, Blogger H. said…

    e não deixa de ser curioso que nós nem nos conheçamos...lol
    belo concerto, mas do David, não se esperava outra coisa :)

     
  • At 10:59 da manhã, Anonymous zeluis said…

    obrigado pela bela review feita a 2 mãos, vista por 4 olhos, ouvida por 4 ouvidos e sentida com o corpo todo!:)

     
  • At 10:16 da tarde, Blogger Broken Skin said…

    Muito bem, muito bem :D
    Gostei do post, e as fotos deram um outro toque.
    Já tou como o Langley... Blitz para quando? x)

    *
    Sylvie

     
  • At 11:43 da tarde, Blogger Mauro said…

    Antes de mais, parabens ao Lille Davi. Acho o novo clip, honestamente genial, como alguns sabem ele formou-se nessa area, e trabalhou em fotografia durante mt tempo. Pelo menos o suficiente para produzir perolas para porcos. A musica, esta como sempre genial, falo do Superstars, a letra simples mas com uma forte mensagem.... como vem sendo habitual.



    SAPO ADSL O PORTAL MAIS PERTO DE SI

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates