segunda-feira, fevereiro 20, 2006
Dose dupla: Kubrick
Full Metal Jacket


Os filmes de guerra nunca exerceram um grande fascínio sobre mim, mas com Full Metal Jacket foi diferente. O que me arrebatou neste filme, para além dos seus virtuosismos técnicos, foi a ironia ácida que está por detrás de cada cena. Cada frame é marcada pela visão peculiar e tenebrosa que Kubrick tem da guerra, visão essa que atinge o seu expoente máximo no arrebatador final do filme.

No entanto, Full Metal Jacket apresenta duas partes bem distintas. A primeira centra-se no recrutamento e no treino dos jovens soldados que sendo uma parte fundamental para perceber as suas motivações no campo de batalha, é, sem dúvida, a parte mais bem conseguida do filme. É exactamente nesta parte que nos é apresentado o Sargento Hartman, um desempenho absolutamente devastador de R. Lee Ermey que, com um simples olhar, espelha toda a arrogância e quase malvadez que todos nós, secretamente, pensamos existir nos responsáveis pelo recrutamento militar. Kubrick pega assim nos nossos receios e maximiza-os com uma personagem estranhamente real. É neste contexto também que surge a soldado Pyle e cuja evolução é das mais marcantes da história do cinema, culminando numa cena absolutamente genial.

Desta forma, se a passagem para a segunda parte do filme é intocável, o desenvolvimento da mesma não o é. De facto, apesar de se exibir igualmente num patamar elevado, a verdade é que o filme vai perdendo algum fulgor narrativo, o que o afasta do estatuto de obra-prima. No entanto, Kubrick redime-se com um final digno de toda a sua filmografia e que, de certo, irá arrepiar todos aqueles que estiverem imbuídos no espírito do filme.

Um último apontamento em relação ao paralelismo que se pode fazer entre Full Metal Jacket e Jarhead, quer ao nível da estrutura narrativa, quer do inicio do filme quer mesmo, episodicamente, em termos de fotografia. No entanto, Mendes não é Kubrick e Jarhead não é, de modo algum, Full Metal Jacket.

Classificação:

Barry Lyndon




Sem grandes rodeios, Barry Lyndon é uma autêntica obra-prima. Extremamente inovador para a época, para o qual foram desenvolvidos novas câmaras capaz de filmar interiores com luz exterior, este filme de Kubrick é irrepreensivelmente escrito, genialmente realizado e interpretado sem mácula, o que faz dele um dos mais representativos da excelência de Kubrick.

Sendo uma verdadeira epopeia humana, o filme segue a história de Barry Lyndon, mostrando a forma como se desenvolve quer em termos sociais quer em termos humanos. De facto, se no inicio temos um jovem Barry inocente e embriagado de amor por uma prima, no final temos um Barry Lyndon corrompido pela sociedade e pelo dinheiro, um homem arrogante e perverso cuja capacidade de sentir e de amar se vai diluindo à medida que o tempo passa.

Filmado quase na totalidade através de câmaras fixas, o filme acompanha cerca de 20 anos de vida de uma personagem de forma verdadeiramente consistente e credível e, embora o filme não seja muito pequeno (184 minutos), a verdade é que a experiência de ver Barry Lyndon é algo transcendental. De facto, e tendo em conta a actual desinspiração de Hollywood em relação às biopics, penso que Barry Lyndon dá o exemplo perfeito de como se pode contar a história de uma pessoa de forma irreprensível.

Sendo, na minha opinião, ligeiramente inferior a Clockwork Orange, a sua grande obra-prima, a verdade é Kubrick tem aqui o grande épico da sua filmografia, e que nos faz, inevitavlemente, relembrar grandes clássicos como E tudo o vento Levou. Barry Lyndon: um filme incrivelmente bom e absolutamente imperdível.

Classifação:
posted by P.R @ 2:49 da tarde  
3 Comments:
  • At 5:08 da tarde, Blogger Ana Silva said…

    Apesar de não conhecer muito da obra de Kubrick, não há dúvida que marcou o mundo do cinema. E lendo críticas como esta é cada vez maior a minha vontade de conhecer e apreciar a sua grandeza e talento! Fico à espera da próxima ;) ***

     
  • At 7:25 da tarde, Blogger Miguel Galrinho said…

    Barry Lyndon é, de facto, uma das maiores obras-primas da história do cinema. Um drama histórico como nunca se viu, com uma realização impressionante e uma belíssima direcção de fotografia.

     
  • At 10:15 da tarde, Blogger Ana said…

    partilho a opinião da Ana Silva...é imperdoável eu não conhecer a obra de Kubrick...

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates