quarta-feira, setembro 12, 2007
Hairspray



A adaptação musical do filme homónimo de John Waters de 1988 tinha tudo para ser um dos mais divertidos de 2007, mas acaba sofrendo por, de certa forma, se tornar vítima dos próprios excessos. É certo que Hairspray se trata precisamente de um filme de excessos, mas o sucesso deste tipo de obras reside precisamente na forma como se consegue controlá-los. Desde o início, com “Goodmorning Baltimore”, que cada número musical me parecia um pouco longo demais, tentando espremer as suas qualidades até ao tutano. Um pouco de contenção só beneficiaria a obra de Adam Shankman que, apesar de tudo, surge munida de outras virtudes, como um muito ácido sentido de humor (atacando todos os quadrantes das orgulhosas tradições americanas), e um enorme à vontade na explanação do seu sentido mais kitsch, reforçado pela localização da história em plenos anos 60. É inegável que estamos perante um dos feel good movies deste final de Verão, e que a sua descontracção consegue a espaços ser altamente viciante (na matiné a que assisti, uma série de miúdos não resistiu à sedução da cena final e foram todos dançar para junto da tela), mas continuo a pensar que, com uns minutos a menos e um nadinha de contenção a mais, o resultado final teria sido bem melhor. Para concluir, há algo de delirantemente cómico na simples ideia de um dança entre John Travolta e Christopher Walken como... marido e mulher, e é sempre de saudar o regresso de Michelle Pfeiffer, mesmo quando dá vida a uma autêntica e refinada bitch.

posted by Juom @ 12:40 da tarde  
4 Comments:
  • At 1:10 da tarde, Blogger P.R said…

    Pois eu acho que esse exagero é propositado e é hilariante. Um dos filmes mais divertidos de 2007 :)

     
  • At 1:25 da tarde, Blogger H. said…

    Oh, eu também quis ir dançar para o pé da dela mas estava tão pouca gente (e já tão adulta) na sessão a que fui que não quis passar por doida ;)

     
  • At 2:31 da tarde, Blogger Paulo said…

    Eu não digo que o exagero não seja propositado, mas confesso que foram muitas as alturas em que só conseguia pensar "okey, já chega! vamos lá a avançar com isto!" :-P Claro que musical que é musical gosta de deixar os seus números tomarem conta do espectáculo, mas convenhamos que apesar de lhe reconhecer qualidade, isto não é propriamente o "Singing in the rain"...

    H., acho que na sessão a que fui, ias sentir-te muito bem ;-) Mas acho que mesmo assim não deixavas de passar por doida :-P

     
  • At 11:02 da manhã, Blogger Francisco Mendes said…

    Divertido, sim. Mas passa-me completamente ao lado. E eu que julgava que era o único que não tinha caído nas graças deste filme... :)

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates