sexta-feira, dezembro 29, 2006
Só o sangue cheira a sangue
Pó cheira a raio de sol,
mel bravo à liberdade,
boca da moça à violeta,
e o ouro não cheira a nada.
A reseda cheira à água,
amor à maçã rescende,
mas agora já sabemos –
só o sangue cheira a sangue…

Em vão o pretor romano
se lavava as palmas grossas
sob os gritos da plebe.
E a rainha da Escócia
debalde raspava as gotas
vermelhas da mão esguia
na penumbra sufocante
da real moradia.

Anna Akhmátova, 1943 (tradução de Nina Guerra e Filipe Guerra)

Poema integrante da antologia Só o sangue cheira a sangue, editada pela Assírio e Alvim. Uma boa introdução a esta magnífica poeta russa, que sentiu na vida e testemunhou na escrita os horrores do totalitarismo.
posted by H. @ 12:39 da manhã  
0 Comments:
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates