sábado, junho 17, 2006
Ausência
Por muito tempo achei que ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade


Aos colegas e leitores, desculpem a minha ausência. O poema é de facto muito bonito, mas eu estou para ficar :)

posted by Ana Silva @ 4:19 da tarde  
4 Comments:
  • At 7:05 da tarde, Blogger P.R said…

    Sê bem-vinda de volta ;)

     
  • At 9:34 da tarde, Blogger H. said…

    e que maravilhosa maneira de reaparecer :)
    espera-se o video da semana!

     
  • At 1:12 da tarde, Anonymous Ana Teresa said…

    Podemos sentir a tua falta... mas nunca estás ausente! Obrigada!

     
  • At 11:24 da tarde, Blogger Clayton said…

    Gosto muito desse poema
    de um poeta que gosto muito
    ele fez com o pensamento em uma poeta q tbm gosto: Ana Cristina Cesar
    obrigado e atés

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates