quinta-feira, setembro 25, 2008
Grandes Momentos | Herman Enciclopédia
Eu sofro disto. Não é por mal, mas de vez em quando não há nada como uma p*** de uma asneira para aliviar o espirito.

Isto são grandes momentos de televisão.



P.s. Peço desculpa pela fraca qualidade do vídeo, mas percebe-se a ideia :P
posted by not_alone @ 8:23 da tarde  
6 Comments:
  • At 11:27 da manhã, Blogger ArmPauloFerreira said…

    Eh, eh, eh!!!

    Mais um video dos tempos em que ele era grande!
    Fica para a história todo o caminho que ele desbravou.
    Em tempos criei o artigo,
    "Quando Herman José era grande e único!"
    , onde recordava com nostalgia o auge deste grande humorista. É pena que desde que apareceu pela SIC se tenha perdido...

     
  • At 12:26 da tarde, Blogger Paulo said…

    Este é apenas mais um entre os muito exemplos de Grandes Momentos que este programa foi conseguindo criar. Digo-o, sem qualquer tipo de reservas: um dos melhores programas televisivos que alguma vez vi, e com grandes potencialidades para múltiplos visionamentos. Ainda me lembro de, na véspera da prova global de Matemática do 9º ano, adiar os estudos para rever as cassetes, na altura já datadas, dos episódios favoritos. Magnífico.

     
  • At 1:54 da tarde, Blogger Ursdens said…

    Também concordo que, desde que se mudou para a sic, perdeu a piada toda...

    Mas acho que o problema do humorismo em Portugal não é de quem o interpreta, é mais de quem escreve... É muito difícil ter textos com qualidade quando as empresas que se dedicam a isso estão superlotadas de trabalho... O humor não se coaduna com prazos a cumprir... Será? :)

     
  • At 12:40 da manhã, Blogger daniel said…

    Este belo texto do Markl é a prova de que não é preciso pôr risinhos de fundo para se fazer uma coisa que tem mesmo piada. Não há coisa mais detestável em comédia que meter risos de fundo, só prova que têm medo de que as pessoas não achem graça à série. E isso já para não falar do tom de condicionamento pavloviano que isso tem... O Herman perdeu a graça antes de chegar à Sic (lembram-se daquele programa de merda tipo talk-show que ele tinha na 1?), e deve ter sido quando percebeu que tinha tanto dinheiro e era tão respeitado que não precisava de mexer nem mais uma palha. O problema é que, se não se é genuíno, se não se acredita naquilo que se faz, corrompe-se facilmente... O Tal Canal e o Herman Enciclopédia vão ficar para sempre na história. Mas acho que podiam também meter aqui outro grande momento (que é pelo menos tão bom como este, e, na verdade, até mais adequado ao rumo que querem dar ao blogue): aquele em que o Herman goza com o Lauro António (aka Lauro Dérmio) apresentando um filme de Cécil B. DéMálhe sobre the ten mandamuntes em que um deles poderia ser "não pirilamparás a mulher do próximo". Esse é mesmo de chorar a rir.

     
  • At 2:23 da tarde, Blogger Ursdens said…

    Daniel:

    Não sei se o talk show do canal 1 a que te referes é o herman 98...

    Curiosamente, esse foi o programa que mais gostei dele... Aliás, minto..., foi, na minha opinião, o programa com a meia hora inicial mais interessante que o herman fez.

    Nessa meia hora inicial o homem ia dizendo umas coisas sobre assuntos vários, naturalmente com um texto base, mas sempre com uma grande dose de improviso (de qualidade) pelo meio. Acho que foi nesse programa que o herman demostrou o que de mais refinado existe no seu humor, com sátiras políticas brilhantes e sem se deixar levar por "brejeirismos". Sinteticamente: O programa tinha nível!

    Daí para a frente nem comento o trabalho do homem... Parece que tem o cérebro direccionado para a escolha das camisas... (atenção que, cada um, usa as camisas que quer, mas as dele são notáveis...) :)

    O que se passa com o herman não sei... Se calhar hoje em dia é mais feliz e pior profissional... E se é por aí, não há nada a criticar, todos temos direito a isso...

    Cumprimentos cinéfilos!

     
  • At 10:12 da tarde, Blogger daniel said…

    Estava a falar desse programa, sim! Bom, reconheço pelo menos o à-vontade do Herman: é que ele levava as pessoas ao talk-show só para gozar com elas. Ainda me lembro duma vez em que ele convidou a Paula Bobone e o Vitorino (olha que dois...), e o resultado foi previsível: o homem gozou todo o tempo, e merecidamente, com a mulher - o que é que se pode esperar de alguém que escreve um livro "socialmente correcto"?! Eu sempre gostava de saber o que é socialmente correcto, o que é que isso quer dizer... OK, reconheço que aí havia aquele espírito de transgressão que é tão característico do verdadeiro Herman. Mas depois, ao que parece, o gajo acomodou-se. É um problema bastante habitual e usual - não só em celebridades. Que ele seja mais feliz, duvido. Agora, que tenha mais dinheiro para comprar camisas (muito provavelmente de marca) pindéricas, para se exibir, lá isso... (mas aquilo é só crise de meia idade.) Pelo menos uma coisa é certa: agora o homem pensa que é Deus na terra. E isso não lhe fica nada bem - sobretudo por estar bem longe da verdade. Onde é que andas, ó Herman?

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates