terça-feira, fevereiro 26, 2008
Óscares 2008

Eis a grande cerimónia, a mais aguardada do ano – os Óscares. Após permanecermos acordados durante grande parte dessa madrugada «especial» e depois de todos os prémios conhecerem o seu vencedor, fica uma sensação de vazio. Já passou a ansiedade, a angústia de saber quem levará a estatueta mais desejada por quem faz parte desse mundo da sétima arte.

A cerimónia decorreu sem grandes percalços: a presença e o discurso arrojado de John Stewart deixam qualquer um de nós com um sorriso nos lábios. As críticas foram feitas sempre de forma airosa e em jeito de brincadeira, colocando o arpão no sítio certo. Os temas foram cuidadosamente escolhidos – desde a greve dos argumentistas, à festa mais reputada de Los Angeles Vanity Fair, passando pelos inevitáveis comentários às eleições americanas e respectivos candidatos. Como sempre, John Stewart esteve irrepreensível.

Os vestidos, os comentários e, claro, a entrega dos prémios. Este ano não houve desilusões, todos os prémios foram “mais ou menos” os esperados. Parece-me que a grande surpresa dfa noite terá sido a escolha de Tilda Swinton, que ganhou o Óscar para Melhor Actriz Secundária. Com um figura irreconhecível, Tilda Swinton viu reconhecido o seu trabalho em “Michael Clayton”, onde encarna uma personagem completamente oposta a si mesma. Pessoalmente não esperava.

Por outro lado, não houve maior alegria que ver Daniel Day-Lewis e Javier Bardem receber os merecidos prémios. Absolutamente genial em “There Will Be Blood”, Daniel Day-Lewis teve um discurso humilde e muito digno, fazendo jus ao seu desempenho. Javier Bardem, mais emocionado e francamente feliz, não deixou de nos deliciar com um agradecimento efusivo e com sabor a Espanha. Também Marion Cotillard não foi uma surpresa, pelo desempenho muito elogiado ao encarnar a grande figura francesa Edith Piaf.

Entre as emoções dos vencedores, houve também tempo para recordar vitórias passadas, discursos que marcaram os 80 anos de Óscares e também os grandes nomes do cinema que «partiram» durante os últimos meses. Entre críticos de cinema, actores e produtores, Heath Ledger foi o último a ser recordado, surgindo em “Brokeback Mountain”.

Mais uma vez a noite dos Óscares foi ansiada por muitos e prevista por milhares de pessoas que fizeram as suas apostas para os melhores desempenhos nas várias categorias. Apesar de, no final, os prémios terem sido bastante ‘repartidos’, “No Country For Old Men” foi considerado o grande vencedor, recebendo o Óscar de Melhor Realizador e Melhor Filme.

Este ano as estatuetas mais aguardadas de sempre voltaram a fazer explodir emoções em quem lhes toca e em quem assiste, seja às nove da noite ou às quatro da madrugada. Que venha 2009 e até lá muitos (grandes) desempenhos e grandes filmes.
posted by Ana Silva @ 10:07 da tarde  
6 Comments:
  • At 11:42 da tarde, Blogger Paulo said…

    Sem ter sido uma grande cerimónia, foi divertida o suficiente, e com muito bons filmes a concurso (e entre os vencedores). E, claro, valeu pela companhia de alguns colegas de blog ;-)

     
  • At 6:13 da tarde, Blogger Cataclismo Cerebral said…

    Não apreciei muito a cerimónia em si... Confesso que no caso da Tilda Swinton estava à espera do reconhecimento (meti desde cedo na cabeça que esse prémio seria o único que Michael Clayton levaria). De resto, as estatuetas até foram bem entregues.

     
  • At 6:59 da tarde, Blogger Karatekida said…

    Gostei o suficiente que é possível para apreciar este genero de cerimónias...que valem pelo que valem...ainda assim e porque é de cinema que se trata, é sempre gratificante ver rostos dos que nos fazem sair de casa e entrar numa sala de cinema...

     
  • At 7:14 da tarde, Blogger H. said…

    Não encaro os Óscares com o entusiasmo de há uns anos e a cerimónia deste ano foi francamente fraquita. John Stewart fez o que pôde mas os efeitos da greve, apesar de tudo, estiveram patentes. Surpresas houve muito poucas (o que é sempre chato!) e o Óscar a Swinton, enfim, é um pouco exagerado a meu ver - dadas as outras concorrentes.
    Preferia ter visto o reconhecimento de PT Anderson, mas o facto de ter sido preterido já nem me afecta muito. Aliás, ao ver aquele vídeo preparado dos 79 filmes que ganharam Melhor Filme uma pessoa toma consciência das vistas curtas da Academia ;)

     
  • At 9:39 da tarde, Blogger CATI said…

    Acho que finalmente Hollywood fez as escolhas certas! Com tanto actor e actriz de qualidade foi difícil a escolha...gostava que a Ellen Page tivesse ganho algum óscar, mas paciência.

     
  • At 9:31 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    H., viva o teu comentário. É por causa de ti que leio o blog e ainda bem que há alguém com bom senso no meio de tantos hollywood-fanatics neste blog. Pego em 3 ou 4 filmes do IndieLisboa e apresento cinema de muito melhor qualidade com preços muito mais acessíveis e com aquele gostinho que durará por anos e anos (ao contrário do No country for old men, cujo gostinho nem chega a existir!).

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 

takeabreak.mail@gmail.com
Previous Post
Archives
Cinema
>> Críticas
>> Filme do mês
>> Grandes Momentos
>> 10 Filmes de Sempre
>> Balanços
"Combates"
Críticas Externas
Música
>> Concertos
>> Discos
>> Sugestão Musical
>> Video da Semana
>> Outros
Teatro
TV
Literatura
Outros
Links
Affiliates